18:12h • 23 de Outubro de 2020
Alterar Senha
Esqueci minha Senha

Artigo

Nesta página são disponibilizados para consulta os artigos dos (as) associados(as) da APMP, com assuntos gerais, da área jurídica e opinião.

RUI CAVALLIN PINTO - 20 de Dezembro de 2019 às 10:00

QUEM MATOU O PROMOTOR BEZERRA CAVALCANTI?

No dia 15.06.1989 o Ministério Público do Paraná comemorava 98 anos de sua criação no Paraná. Na mesma noite, porém, no interior do gabinete do juiz Luiz Setembrino no fórum da comarca de Ortigueira, o jovem promotor Francisco Bezerra Cavalcanti morria.

Img

No dia 15 de junho de 1989 o Ministério Público do Paraná comemorava 98 anos de sua criação no Paraná. Na mesma noite, porém, no interior do gabinete do juiz Luiz Setembrino Von Holleben, no fórum da comarca de Ortigueira, o jovem promotor Francisco Bezerra Cavalcanti morria, repentinamente atingido pelo disparo de uma arma de fogo, que o levou aos estertores da morte, consumida logo a seguir.

O promotor chegara recentemente à comarca, designado por sua chefia para acorrer a uma reclamação do advogado local Eduardo Bianchini, sobre a prática de irregularidades na realização de concurso para o provimento do cargo de oficial do registro de imóveis, cuja comissão fora confiada à presidência do juiz Luiz Setembrino. A alegação era de que as provas foram realizadas sem a intimação regular de todos os participantes, favorecendo a presença de apenas dois deles, com prejuízo do reclamante e de mais 22 outros, devidamente habilitados.

Isso gerou uma intriga na comarca e o juiz passou a atribuir ao advogado o uso de manifestações injuriosas à comissão, sejam expressões tais como ”estranhamente”, “misterioso” e “segredo de justiça” às quais atribuiu intenções ofensivas e passaram a servir de respaldo à instauração de um inquérito policial contra o advogado, além do que o  juiz, ainda  decretou sua prisão preventiva, da qual ele só se livrou mediante a impetração de uma ordem de Habeas Corpus (H.C. 142/89) promovida pela Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Paraná a seu favor e prontamente concedida, por unanimidade, pelas  Câmaras Reunidas do Tribunal de Alçada.

O concurso resultou anulado pelo Tribunal, a partir das provas, para que voltassem a ser realizadas.

Naquela noite o promotor se achava sentado numa poltrona do gabinete e, ao se levantar, e se dirigir à mesa do magistrado, sofreu um inesperado disparo de arma de fogo, em pleno peito, que transfixou seu corpo e o prostrou no chão, em decúbito dorsal, enquanto o projétil foi atingir o alto da parede, acima da janela da sala.

A compreensão produzida pela primeira impressão e circunstâncias, fez admitir que tudo ocorreu devido a um imprevisto descuido da própria vítima que, ao exibir ou manipular um revolver Colt’s 45, deixou a arma cair de suas mãos, e, no esforço de tentar contê-la ou recuperá-la do chão, foi atingido pelo disparo provocado pela  queda, ficando  mortalmente ferido.

Ocorre, porém, que, à medida que as investigações se desenvolveram, embora conservando essa primeira impressão, os resultados obtidos seguiram desmerecendo-a, como ocorreu com o gráfico balístico, que admitiu que o disparo da arma poderia ter partido da mesa do juiz, atingindo a vítima à altura do  peito e projetando-a para trás. Doutro modo, a posse da arma atribuída à própria vítima é outra parlenga obscura, relegada a um achado debaixo do banco de um veículo roubado e largado na rua, de que se fez entrega à polícia. Versão desmentida pelo escrivão policial e pelo chefe do destacamento local; arma que, de surpresa, reaparece depois num recibo do cartório criminal, ostentando ter sido inserida, mediante suspeita de fraude, no recibo de uma outra arma, então confiada ao promotor. Há noticia também de que o Colt’s era revolver de uso também do próprio juiz, que com ele praticava exercícios de tiro (fls. 115-TJ).

Outrossim, entre outras dessas versões,  tenha-se em conta que quase todas as testemunhas da tragédia eram serventuários da justiça da comarca, recentemente admitidos nos serviços, condição que, diante da forte personalidade do magistrado, põe sob guarda a confiança na isenção e fidelidade das versões que ofereceram. Veja-se, a exemplo, o que ocorreu, tanto com Cláudio como com seu irmão Mauro Safraider, que revelaram tal grau de obediência e submissão ao magistrado que se recusaram a prestar novo depoimento no inquérito e depois, voltaram a se recusar a se submeterem a uma experiência hipnótica, alegando que o faziam para cumprir ordem do juiz.

Enfim, as investigações do inquérito policial acabaram por oferecer ao Ministério Público elementos que autorizaram, a nível de suficiência,  o oferecimento de denúncia criminal, atribuindo a Luiz Setembrino Von Holleben  a prática do homicídio simples (art. 121, caput , do CP), embora, o delito fosse resultado de qualquer motivação ou reação aparente. Ao contrário do trato que se deu à participação dos outros envolvidos, como pena agravada a Mauro e Cláudio César, Álvaro Sady, Paraílio e Cláudio Jarmes, respondendo pelo art. 342, § 1º, tanto quanto Haroldo e Maria Júlia, passíveis das penas dos arts. 299, § único e 297, § 1º, todos do CP.

Oferecida a denúncia (26/03/90): foi  rejeitada (13/04/92), mesmo  opondo embargo (21/05/92), mas, em recurso especial, ganhou acolhida do STF (18/05/93), com a instauração da ação penal e interrogatório (mas só em 09/06/98), às vésperas dos primeiros 9 anos da  prescrição. No mais o processo seguiu seu turno, ao largo do tempo, promovendo diligências, recolhendo processos, testemunhos (22/VI/89 e10/04/04), fazendo interrogatórios, declarando aposentadoria, perda do privilégio de função, revertendo o procedimento para primeiro grau, desaforamento, pronúncia (quase 20 anos depois), com designação da data do júri, suspensa, diante declaração de extinção da pena pela prescrição, extensiva a todos.

O processo é representado por 15 volumes, com 300 ou 350 páginas cada um, e se referem ao envolvimento do juiz Luiz Setembrino Von Holloben, na prática de homicídio por arma de fogo, no seu gabinete, em que figura como vítima o jovem promotor Francisco Bezerra Cavalcanti, em exercício na comarca. A versão do descuido e do ato fortuito da vítima, mantém contraste, porém, com os resultados da perícia e circunstâncias pessoais do evento, que permitem supor que a exclusão  da responsabilidade do magistrado foi, na verdade, favorecida pela sua condição de magistrado da comarca e, ainda, pela situação de subordinação das testemunhas, serventuários da justiça, agravada também por se tratar de um ato súbito, surpreendente, que colheu de surpresa os presentes em momento de confraternização pessoal.

Assim, ao cabo de um longo e agitado percurso de mais de 24 anos e do empenho do Estado para cumprir seu poder-dever de fazer da punição do crime um dos seus principais instrumentos de promoção da paz social, a prescrição continua sendo, na verdade,  um dos maiores fatores da própria  impunidade, não só pelas mãos dos seus mais hábeis advogados, como pela  incúria de muitos que têm a incumbência  de reprimi-lo, como ainda mais,  porque conta com a vulnerabilidade do próprio sistema repressivo e com a tolerância dos que acreditam que o tempo se incumbe, afinal,  de amortecer as consciências e apagar os danos de toda desgraça.

Afinal, embora todo processo se destine a convencer o delinquente da certeza do seu castigo, este, pelo contrário, oferece exemplo primaz de que, por maior que seja a pena e o prazo do seu resgate prescricional, não é difícil você garantir sua impunidade bastando apenas usar dos recursos e oportunidades que a própria lei lhe oferece.                                                                                                                                                                                                                            

Veja também
  • RUI CAVALLIN PINTO - 13 de Dezembro de 2016 às 08:40

    O CÓDIGO CIVIL DE 1916 FAZ CEM ANOS

    Leia Mais
  • Sérgio Renato Sinhori - 06 de Setembro de 2018 às 14:17

    PARABÉNS APMP!

    Leia Mais
  • RUI CAVALLIN PINTO - 11 de Novembro de 2015 às 12:47

    ROBERTO LYRA - IN MEMORIAM

    Leia Mais